Rodolfo Llinás é um neurocientista colombiano que dedicou a maior parte de sua vida ao estudo do cérebro. Ele dirigiu o programa NEUROLAB na NASA e atualmente é diretor do departamento de psicologia e neurociências da Universidade de Nova York. Um tempo atrás, ele deu uma entrevista em que ele surpreendeu com o mapa que ele desenhou com os conceitos de fidelidade, amor e felicidade.

Suas afirmações provam, do ponto de vista neurológico, o que muitos intuem pelo senso comum, experiência ou observação de comportamento. Ele afirma que o cérebro é um sistema fechado, que é apenas “perfurado” pelos sentimentos. Indica que sua operação tem alguma analogia com a de um computador, com a diferença de que o cérebro tem plasticidade e criatividade: é modificado, nutrido e mudado.

De acordo com seus extensos e profundos estudos sobre o cérebro, ele conclui que a estrutura intelectual é baseada na estrutura emocional. Primeiro é a emoção e depois a razão. Nós formamos as idéias do mundo não tanto do raciocínio, mas do que sentimos. O amor tem um lugar proeminente e a fidelidade é típica dos mais inteligentes, segundo suas palavras.

Fidelidade e inteligência

Rodolfo Llinás indica que a área emocional do cérebro é uma das mais antigas. Foi uma das primeiras a se desenvolver. O amor tem sua origem na mesma área, mas implica diferentes funções fisiológicas. O amor, diz Llinás, é como um deleite. E quem está apaixonado se torna ganancioso. Você quer ter mais e mais amor da pessoa que você ama. O amor, diz o cientista, não é como fazer ginástica, mas como dançar, do ponto de vista fisiológico.

A fidelidade contribui para não desgastar desnecessariamente a energia emocional ou intelectual. O ser humano, mais inteligente, mais orientado para as grandes preocupações da humanidade, deixa de lado as situações que desestabilizam sua vida ou utilizam energia para ações mais complexas. Por tudo isso, Llinás conclui que o amor eterno é uma dança infinita de neurônios entre duas pessoas inteligentes.

Ha também outros estudos sobre fidelidade

Um estudo conduzido pelo Dr. Satoshi Kanazawa, especialista em psicologia evolutiva, mostrou em sua pesquisa que homens com coeficientes intelectuais mais altos (acima de 106) valorizam mais a fidelidade aos pares. Nas mulheres é diferente: todas valorizam, sem que isso esteja relacionado ao seu nível de inteligência.

O estudo indica que a monogamia é uma fase superior da evolução humana. Em princípio, o humano está intimamente ligado ao comportamento instintivo do mamífero. Isso inclina você para a poligamia. Mas tanto na história da humanidade como na história individual de cada homem, a monogamia parece implicar um nível mais elevado de evolução.

Verdadeiramente infidelidade tem como condição ter muito tempo livre e muita disposição emocional para o conflito. Quando uma boa parte de nosso tempo é ocupada, é mais complicado gastar parte disso nas intrigas e estratégias associadas à infidelidade. Tampouco há energia emocional suficiente para pagar o preço de agir em segredo, evitando ser capturado e mantendo uma fachada falsa.

É muito mais inteligente estabelecer um relacionamento e refiná-lo do que saltar de um relacionamento para outro. A monogamia traz grandes satisfações, não é um sacrifício. Como toda situação humana com coragem, isso implica esforços. No entanto, é muito mais que contribui. Se a vida individual é focada em grandes objetivos, certamente um companheiro permanente ou companheiro de viagem é um grande tesouro. E, pelo contrário, se a vida é focada no banal, um relacionamento estável dificulta essa futilidade e insignificância.

Tradução feita pela CONTI outra, do original de Mujer

RECOMENDAMOS


Flores e Poesias
Textos que perfumam a alma e a vida.

COMENTÁRIOS