Andresa Jerônimo, de 24 anos com paralisia cerebral que acaba de se formar em Letras, sendo um exemplo de superação e motivação. Os professores da instituição que frequentava, exclusiva para crianças com deficiência, diziam que ela nunca aprenderia a ler ou a escrever, é claro que ela provou o contrário!

“É muito gratificante chegar longe, ainda mais quando um monte de gente não acredita em você”, diz. “Por isso, digo a crianças com deficiência: não acredite em quem não acredita em você. No final, a recompensa é grande.” afirmou a moça.

Andresa, que vive em Orlândia (SP), diz que, não fosse a insistência da mãe, Maria Veríssima, ela provavelmente não teria sequer ingressado no ensino regular. A dona de casa não aceitava o que diziam os professores e ensinou Andresa a ler por conta própria, com o material escolar do filho mais velho.

“Com 6 anos, uma psicóloga me disse que ela não aprenderia nada. Eu discordei, mas ela insistiu nisso, então eu mesma ensinei. Ela aprendeu super-rápido, começou a ler gibi e se apaixonou pelas letras”, disse Maria orgulhosa da filha.

A persistência de Maria e a força de vontade de Andressa a levaram até o ensino superior, cursado à distância em uma faculdade de Franca (SP).

A jornada até a formatura foi repleta de dificuldades e superações. Para conseguir matriculá-la no ensino regular, Maria precisou recorrer às secretarias municipal e estadual de Educação. À época, ela diz, ninguém se preocupava com acessibilidade.

“Ninguém acreditava que ela fosse conseguir. Falavam que ela sabia ler, mas não entendia o que lia, até que uma professora ficou admirada com o texto que ela escrevia e elogiou. Foi aí que percebi que ela gostava muito de português”, relembra a mãe.

Sobre as escolas exclusivas, Andressa afirma que “Quando colocam crianças com deficiências em escolas exclusivas, estão nos separando das outras pessoas. A sociedade não se acostuma a ver a deficiência no dia a dia e age como se não existisse. Foi o que senti quando fui para a escola regular. Parece que a gente é invisível”.

Uma de suas autoras favoritas é Clarice Lispector, que teria completado 100 anos em 13 de dezembro se estivesse viva e, em vida, teve pouco sucesso comparado com a fama que ganhou ao longo das últimas décadas, tanto no Brasil quanto em outros países ao redor do mundo.

“Gosto muito de romance e a história da Clarice é muito bonita. É uma inspiração para mim, porque as pessoas duvidavam muito dela, que era mulher imigrante que queria escrever. Geralmente é isso que acontece com artistas: as pessoas só reconhecem quando vai embora”, diz.

“O que falta são pessoas entenderem que a gente existe e tem direito de viver em sociedade. Somos seres humanos como qualquer pessoa. Sou esperançosa, porque já vi muita gente mudar depois de me conhecer”, diz.

Mais informações no G1

RECOMENDAMOS



Flores e Poesias
Textos que perfumam a alma e a vida.

COMENTÁRIOS